Guimarães

Aqui nasceu Portugal

“Aqui nasceu Portugal.” Esta frase, gravada num pedaço das muralhas medievais que restam no bem tratado centro histórico de Guimarães, que é um dos lugares mais fotografados do país, demonstra plenamente que estamos em uma das cidades históricas mais importantes de Portugal.

Sede de um município com 160 mil habitantes, Guimarães é uma pequena cidade ao norte de Portugal, localizada no centro da região Minho, distante aproximadamente 55 km da cidade do Porto. É uma cidade histórica que teve um papel de destaque na fundação da nação portuguesa, no século XII, por ação de Afonso Henriques, que, reza a história, abriu caminho à independência de Portugal, em 1143, com a Batalha de São Mamede, que aconteceu no cimo do monte Latito, onde está hoje o castelo da cidade, imóvel que deposita essa memória, que é uma das grandes atrações da cidade.

Não foi por acaso que o Presidente da República do Brasil José Sarney, em uma visita oficial a Portugal, realizada em 1986, fez questão de ir a Guimarães prestigiar Dom Afonso Henriques, tendo descrito o monarca como “o fundador da nacionalidade portuguesa”, como está escrito em uma placa colocada junto de sua estátua, no Monte Latito, próximo do Palácio dos Duques de Bragança e do castelo da cidade.

O Largo da República do Brasil, um dos espaços públicos nobres de Guimarães, com seus jardins belíssimos, é outra demonstração concreta das ligações históricas entre a cidade portuguesa e o povo brasileiro.

Para os brasileiros que gostariam de entrar em um livro sobre a História de Portugal, passeando em suas primeiras páginas, Guimarães é uma cidade que merece e justifica plenamente uma descoberta. Porque é uma cidade repleta de histórias e de memórias.

Seu centro histórico bem conservado e habitado (com flores ou roupas secando nas varandas e janelas), seu grandioso castelo, suas ruas e esplanadas acolhedoras, seus museus, seus edifícios históricos e suas inúmeras igrejas convidam a um passeio bem demorado e muito gostoso.

A memória histórica ainda hoje está visível na cidade, em seu centro histórico formado por ruas antigas, muito estreitas, e casinhas que parecem ser de boneca.

Em 2001, o centro histórico de Guimarães foi classificado pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade, pela forma como suas gentes – os vimaranenses – recebem bem quem visita esta cidade única.

Essa distinção mundial fez aumentar o fluxo de turistas que procuram Guimarães para apreciar o patrimônio edificado, com gente vivendo nas casinhas de pedra, e entender melhor a história sobre a fundação de Portugal, um dos países mais antigos da Europa.

Por ação cuidada da gestão municipal, Guimarães está sempre procurando novos melhoramentos. Em 2012, a cidade foi Capital Europeia da Cultura, tendo sido enriquecida com novos espaços públicos e novos equipamentos culturais, que elevaram a oferta cultural e atraíram novos públicos.

Ao longo desse ano de ouro, Guimarães recebeu centenas de espetáculos e intervenções artísticas, que deram um novo espírito à cidade. Guimarães se transformou em um ponto de encontro de criadores e criações, mostrando a diversidade cultural que carateriza a Europa.

Atualmente, as políticas públicas têm por objetivo vencer a candidatura de Guimarães a Capital Verde Europeia 2020. Assim, Guimarães é uma cidade que cruza a memória do seu rico passado com as ideias inovadoras do presente, tornando-se num espaço acolhedor e contemporâneo, que procura melhorar a experiência de todos aqueles que tomam contacto com a cidade, sejam eles moradores ou turistas. Guimarães é hoje uma cidade cheia de energia criativa, mas é também um arquivo histórico vivo.

Por ser uma cidade relativamente pequena, é possível conhecer as principais atrações de Guimarães em apenas um dia. Mas o ideal será reservar dois dias para conhecer bem a cidade.

As principais atrações de Guimarães podem ser visitadas num passeio a pé, sem dúvida a melhor opção para apreciar as belezas do centro histórico. Por isso, é preciso não esquecer um calçado confortável.

Mas há outras atrações no município, que estão mais distantes, como o Santuário da Penha, a Igreja de São Torcato ou da Citânia de Briteiros (um espaço arquelógico de origem pré-romana), que necessitam de meio de transporte. Situada a 14 km do centro de Guimarães, a Citânia de Briteiros é um exemplo extraordinário de um povoado primitivo, de origem pré-romana, designado por “castros” do noroeste de Portugal. A deslocação ao Santuário da Penha, no entanto, pode ser feita em teleférico, proporcionando uma excelente visão sobre a cidade e paisagem ao redor.

Para conhecer e compreender Portugal é fundamental conhecer Guimarães, que é hoje uma das cidades mais jovens da Europa, com metade dos seus habitantes abaixo dos 30 anos.

Pesquisa